anuncie
167

“Estudo” da Urbs sobre integração temporal é documento de quatro páginas

“Estudo” da Urbs sobre integração temporal é documento de quatro páginas

O estudo que levou a Urbs a dizer ao vereador Bruno Pessuti (PSD) que a integração temporal no transporte coletivo de Curitiba acarretaria, inevitavelmente, um aumento de até 40 centavos na tarifa, tem apenas quatro páginas e não traz data ou assinatura algumas. Via Lei de Acesso à Informação, o Livre.jor pediu à Urbs “todos os estudos, conclusivos ou não, realizados pela empresa a respeito da possível adoção da tarifa temporal”. Recebeu esse documento (leia a íntegra ).

“Com raras exceções, Curitiba já tem sua rede constituída, logo a integração temporal vai apenas proporcionar, caso interesse aos usuários, uma outra opção de deslocamento, que hoje requer o pagamento da segunda tarifa”, diz o texto do documento. Noutro trecho, lê-se que a Urbs ainda vê necessidade de “levantar quantos usuários estão pagando a segunda tarifa para completar seus deslocamentos”. Ambos os argumentos parecem incompatíveis com a afirmação categórica de que a integração temporal irá onerar o preço da passagem.

Além disso o estudo não traz qualquer indicação de que estudaram-se os efeitos que beneficiam o usuário. Em São Paulo, onde a integração temporal recebeu o nome de bilhete único, ela é aprovada por 81% dos usuários, e o uso do transporte coletivo aumentou. Um aplicativo permite aos usuários, dizendo onde está e aonde quer chegar, saber que ônibus (ou trens ou linhas de metrô) usar, e onde trocá-los pelo caminho --sem precisar dar longas voltas para chegar a terminais ou enfrentar lotadas estações-tubo.

CAIXA ZERO:Greca quer usar decisão do TC para baixar tarifa técnica do ônibus

“O documento parece uma síntese, um relatório, e não um estudo. [A partir dele] Não é possível ter uma avaliação confiável dos efeitos que a integração temporal teria”, avalia o urbanista Carlos Hardt, coordenador da área estratégica de Cidades da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e vice-líder do grupo de Pesquisa, Planejamento e Design de Espaços Urbanos e Regionais do Programa de Pós-Graduação em Gestão Urbana da instituição. A pedido da reportagem, ele avaliou o estudo.

Ainda assim, o especialista faz algumas observações sobre o documento. “Se a própria Urbs afirma que a integração temporal não terá grande influência na rede, o impacto dela na receita também tende a ser pequeno”, diz.

Hardt não acredita que a integração temporal seja capaz de reverter a perda de passageiros do outrora exemplar sistema de transporte público de Curitiba, que começou ainda nos anos 1990. “Ainda assim, a Urbs não deve e não pode deixar de estudar seriamente a medida, e não apenas como forma de dar uma satisfação a quem a demanda”, argumenta.

LISTA:5 razões que afastam o curitibano do transporte público

Para o especialista, apenas a introdução de um novo modal de grande capacidade pode ser capaz de reverter a tendência de migração dos ônibus para os carros, motos ou aplicativos de transporte individual verificada atualmente. “Um dos efeitos que o metrô teria, por exemplo, seria elevar o status do transporte coletivo. Ainda temos, em parte da sociedade, a cultura de que o transporte público é para quem não tem dinheiro, o que é uma bobagem”, explica.

“Benefício é mais que óbvio”, diz Urbs

“Temos consciência de que de 8 a 10% dos passageiros têm dificuldades que a integração temporal poderia resolver. Mas isso não pode ser feito do dia para a noite”, diz o gestor de operação transporte coletivo da Urbs, Luiz Filla. O nó, por óbvio, é financeiro. “O benefício [da integração temporal] é mais do que óbvio. Mas temos que colocar quais as dificuldades. Gradativamente, Curitiba está fazendo isso.”

Ele cita como exemplo a linha Interbairros I, que passou a oferecer a possibilidade há alguns anos. Ainda assim, diz que a Urbs segue a pensar na construção de terminais e linhas troncais para fazer integrações e dar conta da demanda. “Quando a necessidade de passageiros é grande, é sempre preciso haver um terminal, um espaço de cobrança antecipada; o cartão não resolve”, justifica-se.

CELSO NASCIMENTO:Transporte coletivo exige soluções mais importantes do que comprar ônibus novo

É uma defesa de algo expresso no próprio estudo: a rede de transporte curitibana, projetada para funcionar de forma integrada, pode, em grande parte, prescindir de algo como o bilhete único. “É verdade”, diz Carlos Hardt. “Ainda assim, a integração temporal pode ser implementado de forma complementar.”

Há outra dificuldade no caminho: o uso do cartão para pagamento da tarifa, muito comum noutras cidades, ainda é relativamente baixo em Curitiba --é adotado por 60% dos usuários. “E 95% são beneficiários do vale-transporte”, diz Filla. Nesse caso, porém, cabe lembrar que a capital paranaense tem provavelmente um dos únicos sistemas em que usar o cartão não traz qualquer benefício ao passageiro, além de umas poucas linhas que já aceitam a integração temporal. Pior: para carregá-lo, é preciso ou ir à Urbs, ou pagar um real para fazer isso numa rede - ainda pequena - de bancas de jornais autorizadas.

OPINIÃO:Todo dia é um 7 a 1 diferente para o usuário de ônibus em Curitiba

O gerente da Urbs admite o problema, mas diz que dar descontos na compra de créditos - ou universalizar a integração temporal - causaria déficit no caixa da empresa que administra o sistema de ônibus. “Hoje, como quem mais compra créditos são os empregadores que oferecem vale-transporte, eles seriam os beneficiados por um desconto. E, num primeiro momento, só haveria menos receita no sistema. Daí, ou cobra-se do usuário, ou a prefeitura paga. E universalizar o uso do cartão traz outras questões, como o que fazer com os cobradores de ônibus. É uma decisão com variáveis técnicas, políticas, sociais, econômicas”, avalia Filla.

É um argumento, porém, que não convence Hardt. “Dizer que os grandes beneficiados serão os empregadores é faccioso. O que importa, para a comunidade, é se o usuário do ônibus gasta mais ou menos e tem mais facilidade para usar o sistema. Mas um eventual benefício ao empregador não é negativo. E qual o público que a Urbs quer atingir, afinal? O que já existe, ou o que ainda usa carro para se locomover?”

Leia a íntegra do documento da Urbs

Polícia britânica reforça segurança do Palácio de Buckingham após ataque Noticias

Polícia britânica reforça seguranç...

Mercado Municipal celebra aniversário com passeio ciclístico neste domingo Noticias

Mercado Municipal celebra aniversário com passeio cic...

Curitibano cria aplicativo para facilitar doações de muletas e cadeiras de rodas Noticias

Curitibano cria aplicativo para facilitar doaçõ...

Competitivo, mercado de agronegócio exige informação para sobreviver Noticias

Competitivo, mercado de agronegócio exige informa&cce...

ʺA toque de caixaʺ, Câmara vota terceirização de escolas, creches e unidades de saúde Noticias

ʺA toque de caixaʺ, Câmara vota terceiriza&ccedi...

Autoridades ameaçam ‘melar’ aquisição equivalente a 252 Neymar Noticias

Autoridades ameaçam ‘melar’ aquisiç...

Governo não quer que você escolha de quem comprar energia. Portabilidade só após 2028 Noticias

Governo não quer que você escolha de quem compr...

Fim de semana tem saldo de tiroteio em churrasco e mortes no trânsito Noticias

Fim de semana tem saldo de tiroteio em churrasco e mortes no...

Alemão retorna de lesão e estipula meta de gols no Paraná Noticias

Alemão retorna de lesão e estipula meta de gol...

A história pode ser remédio para acabar com crise institucional, diz Christian Lynch Noticias

A história pode ser remédio para acabar com cr...

Processo do tríplex chega ao TRF4 Noticias

Processo do tríplex chega ao TRF4...

No banco dos réus: como Gleisi vai se comportar no interrogatório ao STF? Noticias

No banco dos réus: como Gleisi vai se comportar no in...

Nossos amigos!
AniTube Super Animes Filmes Online X Azamerica Filmes Online Grátis Vizer.tv Séries Online Grátis BTv Z Animes Online Baixar Músicas Grátis
Assistir TV Online Grátis

O Assistir TV Online HD ou simplesmente ATO é um dos mais clássicos e tradicionais sites de TV online do pais, desde 2009 com o projeto inicial vertvfree que posteriormente se transformou no ATOHD nós empenhamos cada vez mais para para trazer o melhor conteúdo do segmento televisivo nacional e internacional. As emissoras de TV têm mudado muito no quesito qualidade, seguindo esse aspecto nós estamos focando também na qualidade áudio visual de nossos canais, com novas transmissões de TVONLINE em IPTV (Internet Protocol Television) e também TVIP (Televisão por IP).

Nossos players estão cada vez mais está compatível com diversas plataformas e dispositivos móveis, como (smart TV, smartphones, tablets, aplicativos, mobile, iphone, ipad, android, etc), O ATO Se ajusta a qualquer tamanho de tela responsivamente, seguindo os padrões atuais. Não há requisitos mínimos para o uso do site, todavia quanto maior for a sua velocidade de conexão com a internet, melhor será a qualidade da sua tvonline, aqui listamos em diversas categorias como noticias, esportes, documentários, notícias, séries, filmes, entre outras variedades, sem limitações de uso, compartilhe com seus amigos e familia, aproveite!